Tenistas brasileiras Laura Pigossi e Luisa Stefani conquistam bronze em Tóquio – Forbes Brasil

Reuters/Yara Nardi

Laura Pigossi e Luisa Stefani ganham primeira medalha olímpica de tênis do Brasil

As brasileiras Laura Pigossi e Luisa Stefani salvaram quatro match points contra as vice-campeãs de Wimbledon, Veronika Kudermetova e Elena Vesnina, para conquistar a medalha de bronze nas duplas femininas dos Jogos Olímpicos de Tóquio na madrugada de hoje (31).

Essa é a primeira medalha olímpica do tênis do Brasil. O melhor resultado até então era o quarto lugar de Fernando Meligeni em Atlanta 1996.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram: https://t.me/forbesmoney

As brasileiras, com lágrimas nos olhos no final da partida, coroaram uma semana estelar, vindas de 5-9 no tiebreak para ganhar seis pontos consecutivos e vencerem a dupla do Comitê Olímpico Russo (ROC) por 4-6, 6-4 e 11-9.

“Sabíamos que tínhamos que dar dado tudo e temos toda essa emoção agora”, disse Stefani, 23a colocada no ranking mundial de duplas.
“Do 0-0 no tiebreak até quando estávamos 9-5 atrás, acreditávamos que poderíamos fazer isso o tempo todo. Tínhamos essa sensação de confiança o tempo todo e agora há essa sensação de pura felicidade por ter alcançado um objetivo”, afirmou ela.

“Esta medalha é histórica para o Brasil. É também uma responsabilidade, mas também uma motivação para nós.”

Vesnina, que tentava ganhar sua segunda medalha olímpica após o ouro nas duplas femininas em 2016, pode se redimir quando se juntar a Aslan Karatsev contra Anastasia Pavlyuchenkova e Andrey Rublev em uma final de duplas mistas no domingo.

Atletas russos foram proibidos de usar sua bandeira ou hino por conta dos escândalos de doping no país. Eles são identificados como atletas do Comitê Olímpico Russo.

(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

O post Tenistas brasileiras Laura Pigossi e Luisa Stefani conquistam bronze em Tóquio apareceu primeiro em Forbes Brasil.

https://platform.twitter.com/widgets.jshttps://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Fonte

Source link

Read More

Butantan pede autorização à Anvisa para aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes – Forbes Brasil

Amanda Perobelli/Reuters

Até o momento, a CoronaVac foi autorizada para uso emergencial em brasileiros com mais de 18 anos

O Instituto Butantan apresentou ontem (30) pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ampliar a faixa etária para a aplicação da CoronaVac de forma a que crianças e adolescentes entre 3 e 17 anos também possam receber o imunizante, informou o órgão regulador.

A CoronaVac já foi autorizada para uso emergencial no Brasil para pessoas com mais de 18 anos desde 17 de janeiro. O imunizante chinês contra a Covid-19 foi inicialmente a vacina mais usada no país no início da pandemia, só sendo desbancado pela vacina da AstraZeneca no início deste mês.

“Para incluir novos públicos na bula, o laboratório precisa conduzir estudos que demonstrem a relação de segurança e eficácia para determinada faixa etária. Esses estudos podem ser conduzidos no Brasil ou em outros países. No caso da CoronaVac, os estudos foram conduzidos fora do Brasil”, informou a Anvisa.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram: https://t.me/forbesmoney

O pedido do Butantan ocorre no momento em que as atividades escolares na rede pública começam a voltar em todo o país, após mais de um ano e meio paralisadas.

Em junho, a Anvisa autorizou a indicação da vacina da Pfizer para crianças com 12 anos de idade ou mais. Com isso, a bula da vacina passará a indicar essa nova faixa etária para o Brasil.

O laboratório Janssen já recebeu autorização da agência para realizar estudos de sua vacina com menores de 18 anos. Os estudos estão em condução pelo laboratório.

(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

O post Butantan pede autorização à Anvisa para aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes apareceu primeiro em Forbes Brasil.

https://platform.twitter.com/widgets.jshttps://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Fonte

Source link

Read More

Arnault ultrapassa novamente Bezos e se torna a pessoa mais rica do mundo – Forbes Brasil

Getty Images

Jeff Bezos perde o posto de homem mais rico do mundo para o magnata francês Bernard Arnault

Jeff Bezos não é mais a pessoa mais rica do planeta, e desta vez não é porque deixou fisicamente a Terra em um foguete Blue Origin. As ações da Amazon despencaram 7,6% ontem (30) depois que a empresa divulgou os lucros do segundo trimestre, na tarde da última quinta-feira (30), reduzindo US$ 13,9 bilhões da fortuna de seu fundador em um dia e empurrando Bezos para trás do magnata francês Bernard Arnault.

As ações do conglomerado de bens de luxo de Bernard Arnault, LVMH, caíram 1,4% ontem (30), deixando o bilionário US$ 2,9 bilhões mais pobre, mas ele ainda terminou a semana com um patrimônio líquido estimado em US$ 192,9 bilhões, US$ 500 milhões à frente do ex-ceo da Amazon. Os dois disputaram o posto de mais rico do mundo no final de maio e início de junho, mas Bezos passou os últimos 50 dias como a pessoa mais rica, apesar de sua breve viagem interestelar em 20 de julho.

LEIA MAIS: Bilionários brasileiros perdem US$ 8,3 bilhões em julho; Jorge Lemann lidera quedas

Com as ações da LVMH atingindo o patamar mais alto na maior parte do verão norte-americano, Arnault aumentou sua riqueza em mais de US$ 100 bilhões no mesmo período. O bilionário possui uma participação de 47% no capital social da companhia, que tem uma capitalização de mercado de mais de US$ 400 bilhões. Suas subsidiárias incluem Louis Vuitton, Moët & Chandon, Christian Dior e Tiffany & Co.

Apesar da queda nas ações, a Amazon estava longe de um fracasso no segundo trimestre. O negócio gerou US$ 113 bilhões em receita – 27% maior do que no mesmo período do ano passado – e US$ 7,8 bilhões em lucro líquido.

A Amazon disse na última quinta-feira (30) que prevê que a receita do terceiro trimestre fique entre US$ 106 bilhões e US$ 112 bilhões, abaixo dos US$ 119 bilhões que os analistas esperavam. O diretor financeiro da Amazon, Brian Olsavsky, atribuiu a desaceleração ao fato de as pessoas se sentiram mais confortáveis ​​saindo de casa para fazer compras e gastar em outras atividades… “diferente do que aconteceu no período mais forte da pandemia.”

O declínio da Amazon também reduziu o patrimônio líquido da ex-mulher de Bezos, MacKenzie Scott, para cerca de US$ 56 bilhões, uma queda de US$ 4,6 bilhões, tornando-a a 22ª pessoa mais rica do mundo.

Além de Bezos e MacKenzie, a maior parte dos bilionários perdedores desta semana residem na China, onde as ações seguiram caindo devido à contínua repressão ao setor de tecnologia do país. Este mês, as autoridades chinesas forçaram as lojas de aplicativos a remover a gigante Didi – dias depois de seu IPO nos Estados Unidos – de seu leque de transportadoras.

Outros movimentos do governo chinês foram a obrigação de instituições de ensino se registrarem como empresas sem fins lucrativos, a também obrigação da gigante Tecent de abrir mão seus direitos de licenciamento exclusivos de música online e a necessidade das plataformas de delivery de alimentos garantirem direitos aos trabalhadores, como salário mínimo e seguridade social.

LEIA MAIS: Bezos x MacKenzie: a disputa filantrópica dos bilionários da Amazon

A fortuna do CEO da Tencent, Ma Huateng, caiu US$ 4,7 bilhões, terminando a tarde de ontem (30) a US$ 47,5 bilhões. Nesta semana, as ações da empresa caíram 8,5%. O índice CSI 300, que acompanha o desempenho das maiores ações listadas na China, caiu 5,5% entre segunda-feira (26) e ontem (30), e o índice Hang Seng que acompanha o mercado de ações de Hong Kong caiu 5% no mesmo período.
Veja os dez bilionários que mais perderam patrimônio nesta semana:

Reprodução/Forbes


Getty Images
Getty Images
Getty Images
Reprodução/Forbes
Reprodução/Facebook
South China Morning Post/Getty Images
Getty Images
Getty Images
Reprodução/Forbes

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

O post Arnault ultrapassa novamente Bezos e se torna a pessoa mais rica do mundo apareceu primeiro em Forbes Brasil.

https://platform.twitter.com/widgets.jshttps://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Fonte

Source link

Read More

Alvo da PF, Renova Energia perde ação e acionistas produzirão provas

Investigada por suspeitas de desvios de dinheiro no setor elétrico, a empresa Renova Energia perdeu uma ação no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) em que tentava impedir acionistas minoritários de produzir provas contra a própria empresa. Uma decisão da 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do tribunal, na última quarta-feira, 28, determinou que a diretoria da Renova apresente contratos e comprovantes de pagamento que, até então, eram negados aos acionistas minoritários. Os documentos devem passar por perícia, e a intenção dos acionistas é saber se a companhia cometeu crimes ou irregularidades que possam causar prejuízos a possui tem ações da Renova.

A empresa foi alvo da Operação ‘E o Vento Levou’, da Polícia Federal, ao longo de 2019. A investigação apura desvios de dinheiro da Cemig Geração e Transmissão, que fez um aporte de R$ 850 milhões na Renova.

Os acionistas minoritários dizem que, do valor do aporte, podem ter sido desviados ao menos R$ 115 milhões – montante que poderia chegar a mais de R$ 650 milhões. Os desvios teriam ocorrido por meio de supervalorização de contratos, operações simuladas. Os acionistas citam a delação premiada do ex-diretor jurídico Ricardo Assaf, da Renova, para embasar os valores sob suspeita.

Em 2019, três delatores – entre eles, Assaf – apontaram à PF o caminho de R$ 40 milhões que teria sido desviado do aporte da Cemig. Eles disseram que houve sobrepreço em um projeto eólico vendido pela Casa dos Ventos à Renova, no valor de R$ 40 milhões. O valor teria sido repassado posteriormente a seis empresas, segundo os delatores. Na delação de Assaf há também relato de pagamentos simulados, que teriam sido desviados das contas da companhia, de R$ 10 milhões.

Source link

Read More

Arnault ultrapassa novamente Bezos e se torna a pessoa mais rica do mundo – Forbes Brasil

Getty Images

Jeff Bezos perde o posto de homem mais rico do mundo para o magnata francês Bernard Arnault

Jeff Bezos não é mais a pessoa mais rica do planeta, e desta vez não é porque deixou fisicamente a Terra em um foguete Blue Origin. As ações da Amazon despencaram 7,6% ontem (30) depois que a empresa divulgou os lucros do segundo trimestre, na tarde da última quinta-feira (30), reduzindo US$ 13,9 bilhões da fortuna de seu fundador em um dia e empurrando Bezos para trás do magnata francês Bernard Arnault.

As ações do conglomerado de bens de luxo de Bernard Arnault, LVMH, caíram 1,4% ontem (30), deixando o bilionário US$ 2,9 bilhões mais pobre, mas ele ainda terminou a semana com um patrimônio líquido estimado em US$ 192,9 bilhões, US$ 500 milhões à frente do ex-ceo da Amazon. Os dois disputaram o posto de mais rico do mundo no final de maio e início de junho, mas Bezos passou os últimos 50 dias como a pessoa mais rica, apesar de sua breve viagem interestelar em 20 de julho.

LEIA MAIS: Bilionários brasileiros perdem US$ 8,3 bilhões em julho; Jorge Lemann lidera quedas

Com as ações da LVMH atingindo o patamar mais alto na maior parte do verão norte-americano, Arnault aumentou sua riqueza em mais de US$ 100 bilhões no mesmo período. O bilionário possui uma participação de 47% no capital social da companhia, que tem uma capitalização de mercado de mais de US$ 400 bilhões. Suas subsidiárias incluem Louis Vuitton, Moët & Chandon, Christian Dior e Tiffany & Co.

Apesar da queda nas ações, a Amazon estava longe de um fracasso no segundo trimestre. O negócio gerou US$ 113 bilhões em receita – 27% maior do que no mesmo período do ano passado – e US$ 7,8 bilhões em lucro líquido.

A Amazon disse na última quinta-feira (30) que prevê que a receita do terceiro trimestre fique entre US$ 106 bilhões e US$ 112 bilhões, abaixo dos US$ 119 bilhões que os analistas esperavam. O diretor financeiro da Amazon, Brian Olsavsky, atribuiu a desaceleração ao fato de as pessoas se sentiram mais confortáveis ​​saindo de casa para fazer compras e gastar em outras atividades… “diferente do que aconteceu no período mais forte da pandemia.”

O declínio da Amazon também reduziu o patrimônio líquido da ex-mulher de Bezos, MacKenzie Scott, para cerca de US$ 56 bilhões, uma queda de US$ 4,6 bilhões, tornando-a a 22ª pessoa mais rica do mundo.

Além de Bezos e MacKenzie, a maior parte dos bilionários perdedores desta semana residem na China, onde as ações seguiram caindo devido à contínua repressão ao setor de tecnologia do país. Este mês, as autoridades chinesas forçaram as lojas de aplicativos a remover a gigante Didi – dias depois de seu IPO nos Estados Unidos – de seu leque de transportadoras.

Outros movimentos do governo chinês foram a obrigação de instituições de ensino se registrarem como empresas sem fins lucrativos, a também obrigação da gigante Tecent de abrir mão seus direitos de licenciamento exclusivos de música online e a necessidade das plataformas de delivery de alimentos garantirem direitos aos trabalhadores, como salário mínimo e seguridade social.

LEIA MAIS: Bezos x MacKenzie: a disputa filantrópica dos bilionários da Amazon

A fortuna do CEO da Tencent, Ma Huateng, caiu US$ 4,7 bilhões, terminando a tarde de ontem (30) a US$ 47,5 bilhões. Nesta semana, as ações da empresa caíram 8,5%. O índice CSI 300, que acompanha o desempenho das maiores ações listadas na China, caiu 5,5% entre segunda-feira (26) e ontem (30), e o índice Hang Seng que acompanha o mercado de ações de Hong Kong caiu 5% no mesmo período.
Veja os dez bilionários que mais perderam patrimônio nesta semana:

Reprodução/Forbes


Getty Images
Getty Images
Getty Images
Reprodução/Forbes
Reprodução/Facebook
South China Morning Post/Getty Images
Getty Images
Getty Images
Reprodução/Forbes

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

O post Arnault ultrapassa novamente Bezos e se torna a pessoa mais rica do mundo apareceu primeiro em Forbes Brasil.

https://platform.twitter.com/widgets.jshttps://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Fonte

Source link

Read More

Estudo com pacientes de covid em hospital do Rio mostra eficácia da vacina

Um estudo realizado com todos os pacientes internados com covid no Hospital Santa Teresa, de Petrópolis em parceria com a Secretaria de Saúde do município, demonstra a eficiência da vacinação. Entre todos os casos de pacientes internados na instituição com diagnóstico confirmado para covid-19 entre os meses de janeiro a junho de 2021 apenas 1,6% dos possuíam o esquema vacinal completo, ou seja, haviam tomado as duas doses da vacina.

O estudo considerou como pacientes imunizados apenas aqueles que foram contaminados 15 dias após terem tomado a segunda dose da vacina. “Dos 717 pacientes que foram internados no HST nos últimos seis meses, apenas 12 pacientes estavam imunizados. O número pode ser um indicativo de que estamos no caminho certo”, declara o diretor do hospital, o médico Leonardo Menezes, destacando que todos os casos registrados eram de pacientes com comorbidades.

“Percebemos três doenças pré-existentes que teriam contribuído para o avanço da doença nestes pacientes imunizados: hipertensão arterial, diabetes e doenças cardíacas crônicas. A mediana de idade destes pacientes foi de 77 anos”, afirma a técnica de enfermagem responsável pelo levantamento, Aline Goulart Braz.

Dos 12 pacientes internados, quatro deles vieram a óbito, sendo que três passaram por ventilação mecânica. A mediana de idade dos pacientes que não resistiram foi de 84 anos.

“Outro dado importante é que todos os quatro pacientes possuíam condições associadas ao peso. Três eram obesos e um apresentava baixo peso. Ao longo da pandemia, temos percebido que a obesidade se caracteriza como um dos maiores fatores de risco, o que fica ainda mais evidente neste estudo”, afirma a infectologista do Hospital Santa Teresa, Denise Marangoni.

“Este estudo é importantíssimo porque mostra que a vacina é a única forma de vencermos a covid-19. Precisamos que toda a população faça a sua parte, comparecendo aos postos de vacinação quando for o seu momento. No entanto, é muito importante lembrar que todos devem continuar tomando todos os cuidados recomendados, mesmo após a imunização”, declara o secretário de Saúde Aloísio Barbosa da Silva Filho, adiantando que a meta é vacinar até o fim de julho todos os maiores de 35 anos.

Outro dado importante observado pela instituição ao longo do primeiro semestre foi a queda no número de internações, que teve seu ápice em abril, com 197 pacientes com diagnóstico confirmado para covid-19. A taxa de internação diária chegou a 6,57 pacientes.

“Tivemos uma redução do número de internações no decorrer do avanço do percentual de vacinados, chegando a 67 pacientes internados em junho, com uma taxa diária de 2,23, e um rejuvenescimento dos pacientes, tendo em vista a priorização dos idosos. Atualmente, os pacientes com mais de 80 anos representam 6,4% das internações no hospital, enquanto os pacientes com menos de 60 anos representam 68,2%”, afirma o diretor técnico do HST, Márcio Veiga.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedIn | Twitter | Facebook | Youtube

https://platform.twitter.com/widgets.jshttps://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Source link

Source link

Read More

Entendendo ESG: a parte social (o S do ESG), por Renata Faber

Por Renata Faber, head de ESG da EXAME

O S é uma das partes mais complexas do ESG. Como escrevemos anteriormente, estamos saindo de um capitalismo de acionista para um capitalismo de stakeholder.

Hoje, as empresas têm de buscar construir laços fortes com seus clientes, colaboradores e fornecedores, ao mesmo tempo em que ajudam a comunidade na qual estão inseridas.

  • Quer aprender a  nas principais empresas ESG do país? Saiba como no novo curso da Exame Academy

Analisar a esfera social é ver como as empresas se relacionam com seus principais stakeholders e quais as oportunidades e os desafios que as mudanças demográficas trazem. Muitas pessoas confundem a parte social do ESG com filantropia.

Na nossa opinião, filantropia é muito importante. No entanto, quando pensamos em ESG, o principal ponto é as empresas conseguirem, com seu negócio e suas práticas, causar um impacto social positivo na sociedade.

Clientes

A tecnologia, aliada a novos hábitos de consumo, tem acelerado o surgimento e o crescimento de novas indústrias e empresas, ao mesmo tempo em que vários negócios que pareciam sólidos estão passando por uma disrupção.

Entender o que o cliente quer, as novas tendências de consumo e procurar satisfazê-lo se tornou essencial. Os antigos líderes de mercado ou monopolistas, que acreditam que não precisam tratar bem os clientes porque têm uma posição dominante, terão de se reinventar.

Nesse cenário, é essencial olhar o NPS (net promoter score, uma ferramenta que mede a satisfação dos clientes). Empresas com alto NPS são empresas que colocam o cliente em primeiro lugar, muitas vezes sacrificando o resultado de curto prazo porque entendem que, para satisfazer os clientes, é necessário investir em novos produtos e em novos processos produtivos.

Empresas com alto NPS são empresas que investem em treinamento e valorizam seus funcionários, pois são eles que trazem novas ideias e estão na linha de frente com os clientes.

Por fim, as empresas com alto NPS investem em inovação (pois satisfazer os clientes continuamente exige mudanças ao longo do tempo) e segurança, pois seus produtos não podem oferecer riscos ao serem usados (por exemplo, brinquedos) e os dados de seus clientes não podem ser expostos (por exemplo, instituições financeiras).

Colaborador

O capital humano é essencial para o sucesso de uma organização. Atrair talentos, treinar e retê-los continua sendo essencial para uma organização, mas talvez agora seja mais difícil. Enquanto no passado as pessoas eram atraídas pela remuneração e pelos benefícios, atualmente as empresas têm de também oferecer um propósito.

Uma empresa que promova a diversidade (de gênero, étnico-racial, orientação sexual) e que cause impacto social e ambiental tem mais chance de atrair talentos das novas gerações (millennials e geração Z). Os principais indicadores que precisamos olhar aqui são diversidade, turnover e investimento em treinamento.

Comunidade

Não basta apenas gerar empregos, pagar impostos e realizar investimentos, as empresas têm de se preocupar com o impacto social e ambiental que causam. O impacto social inclui também ajudar as comunidades nas quais a empresa está inserida — aqui, a gama de projetos é grande, podendo incluir projetos que ajudem na educação, na saúde e na segurança da comunidade.

Trabalhar pelas comunidades não é apenas filantropia: ao melhorar a educação na sua vizinhança, por exemplo, as empresas também têm acesso à mão de obra mais qualificada. Ao conseguir gerar empregos para a comunidade, a empresa aumenta a renda da região, o que traz inúmeras externalidades, como maior segurança.

Fornecedor

Em um mundo onde a necessidade de inovação é constante, o fornecedor passa a ter um papel de parceiro. Em muitos casos, um novo produto e uma nova tecnologia demandam um trabalho conjunto com os fornecedores, que passam a investir e tomar risco junto com seus clientes.

Além disso, as empresas são responsáveis por garantir a sustentabilidade em toda a cadeia de fornecimento — isso é mais relevante para determinadas indústrias (por exemplo, têxtil e alimentos), mas virou uma realidade para todas.

Nesse novo cenário, as grandes empresas que eram conhecidas por “espremer” seus fornecedores e só se preocupavam com o custo podem ter de rever seu modo de atuação, pois precisam ter o fornecedor como um parceiro que garante a sustentabilidade de toda a cadeia e também ajuda em soluções de inovação.

Mudanças demográficas e nos padrões de consumo

Dentro da análise do S, também precisamos entender como as mudanças demográficas e nos padrões de consumo podem impactar uma companhia. Envelhecimento da população, urbanização, aumento de renda, novos hábitos dos millennials… todos esses pontos podem trazer riscos e oportunidades para as empresas.

Quer saber como as mudanças climáticas afetam o dia a dia dos negócios? Assine a EXAME. 

Source link

Read More

Com ‘Netflix’ da saúde, rede Dr. Consulta atende por 40 reais

Em tempos de pandemia e desemprego, cada vez mais startups miram o setor de saúde. A explosão da necessidade desses serviços, somada ao fato de que 70% dos brasileiros não têm um plano privado, fez com que o número de cadastros na startup Yalo Saúde triplicasse. A healthtech funciona como um programa de assinaturas de saúde, exclusivo para a rede Dr. Consulta.

 Quer saber como a inovação pode ajudar o seu negócio? Faça o curso Inovação na prática

O principal plano disponibilizado pela empresa é o “Família”, que comporta até quatro pessoas, com uma mensalidade total de R$ 24,90. A partir da assinatura, os pacientes podem ter acesso a consultas na rede por, no mínimo, R$ 40, com direito a retorno. Todos são atendidos pelos mesmos médicos do que os clientes que não fazem parte da Yalo, com tempo de consulta igual, segundo a Dr. Consulta.

Diante de outros cartões de descontos em consultas no país, a startup defende o próprio modelo de negócio sob os pilares da recorrência — uma vez que, ao contrário dos cartões, que têm vários médicos de diferentes locais cadastrados, eles trabalham só com uma única rede — e da digitalização, uma vez que os prontuários são abertos digitalmente na Dr. Consulta, o que facilita o acompanhamento dos pacientes.

Por estar de olho na recorrência, a empresa mira principalmente a ponte entre os médicos e pacientes crônicos. “Quem precisa de um tratamento mais recorrente nem sempre consegue pagar o valor integral da consulta, mesmo sendo mais acessível, em torno de cem reais. Então, queremos proteger as pessoas desassistidas, com mais de 40 anos de idade, que não querem depender integralmente do SUS”, afirma Antonio Castilho, presidente da Yalo.

Source link

Read More

WAP, marca de lavadores, aposta em dados e marketing para crescer

A marca de lavadoras de alta pressão e aspiradores WAP aposta em crescimento exponencial continuo por meio do uso da tecnologia. A marca da empresa Fresnomaq registrou nos últimos 4 anos um crescimento anual de 90% em EBITDA e 50% em receita. Considerando apenas 2020 o crescimento foi 86% em faturamento.

Vá do básico ao avançado com o curso Manual do Investidor 

“Investimos em análise do comportamento do consumidor. Assim, conseguimos entender o volume de busca do nosso produto, realizar o marketing para aumentar a chance de consideração de compra e abastecer melhor o varejo”, diz Paulo Sanford, presidente da WAP. Por meio dessa aposta, a marca planeja atingir uma receita de 2 bilhões de reais em 2025.

Na prática, a proposta é aprofundar o relacionamento com o cliente em todos os processos da sua jornada digital e física,  u seja, desde o momento da descoberta e consideração até a hora da compra. Para isso, há um time especializado em dados e marketing digital e no desenvolvimento de conteúdo e amplificação da presença de marca nas principais plataformas digitais e marketplaces.

Source link

Read More

Bilionários brasileiros perdem US$ 8,3 bilhões em julho; Jorge Lemann lidera quedas – Forbes Brasil

GettyImages

Segundo brasileiro mais rico do mundo, o cofundador da Ambev teve sua fortuna reduzida em 13% em julho

O mês de julho marcou a perda de US$ 8,3 bilhões na fortuna dos principais bilionários brasileiros, segundo estimativas da Forbes com base no fechamento das bolsas de valores ontem (30). A queda total foi puxada principalmente pela redução no patrimônio de Jorge Paulo Lemann, segunda pessoa mais rica do país e cofundador da AmBev.

No começo do mês, Lemann ocupava o primeiro lugar no ranking de bilionários brasileiros, com fortuna estimada pela Forbes em US$ 19,5 bilhões. Após 30 dias e uma queda de aproximadamente 13%, o patrimônio dele havia reduzido para US$ 16,8 bilhões. O movimento foi parcialmente motivado pela redução de 3,26% nas ações da AmBev (ABEV3), empresa fundada pelo bilionário.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram: https://t.me/forbesmoney

Lemann também é acionista do Burger King (BKBR3), cujos papéis caíram 11,37%, das Lojas Americanas (LAME4), que caíram 66,38%, e da Gafisa (GFSA3), que teve suas ações reduzidas em 16,07%.

Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira, cofundadores da AmBev e acionistas das outras três empresas, também tiveram a fortuna reduzida. Telles, que começou o mês com US$ 13 bilhões, hoje possui US$ 11,7 bilhões. Já para Sicupira, a fortuna reduziu de US$ 10 bilhões para US$ 8,8 bilhões.

Juntos, os três empresários perderam US$ 5,2 bilhões, cerca de 60% de todas as perdas registradas no mundo dos principais bilionários brasileiros no último mês. Ainda assim, o Brasil manteve 67 nomes na lista internacional de Bilionários do Mundo da Forbes. Para fazer parte da lista, é preciso ter patrimônio de pelo menos US$ 1 bilhão, o equivalente a R$ 5,2 bilhões, com base no fechamento da cotação do dólar ontem (30).

Além de Lemann, Telles e Sicupira, outros bilionários registraram perdas menores. É o caso de Walter Faria, dono do grupo Petrópolis. Nos últimos 30 dias, sua fortuna encolheu US$ 400 milhões, para US$ 13 bilhões. Atualmente, ele ocupa a 20ª posição do ranking de bilionários brasileiros.

Já a fortuna da família dona do grupo Hapvida (HAPV3), representada no ranking por Cândido Pinheiro Koren de Lima, fundador da empresa, e seus dois filhos, Jorge Pinheiro Koren de Lima e Cândido Pinheiro Koren de Lima Junior, reduziu em US$ 500 milhões. Juntos, a fortuna dos três está estimada em US$ 7,5 bilhões.

Mas em meio às perdas também há ganhos, e o mais expressivo foi registrado pelo bilionário Rubens Ometto Silveira Mello, fundador da Cosan (CSAN3), e pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, da companhia JBS (JBSS3).

Ometto segue com o título de empresário que mais ganhou dinheiro em 2021. No mês de julho, sua fortuna cresceu para US$ 9,6 bilhões, com ganho de US$ 500 milhões após a alta de 6,49% nas ações da Cosan. Já os irmãos Batista, que dividem a 15° posição entre os brasileiros mais ricos do mundo, ganharam US$ 300 milhões cada um. Ao fim do mês, a fortuna de ambos está estimada em US$ em 3,8 bilhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

O post Bilionários brasileiros perdem US$ 8,3 bilhões em julho; Jorge Lemann lidera quedas apareceu primeiro em Forbes Brasil.

https://platform.twitter.com/widgets.jshttps://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Fonte

Source link

Read More